Mitos sobre a cor do fluido ATF

Transmissão automática necessita de troca de fluido? A resposta é sim. Essa dúvida é muito comum e se estende por vários anos. Na verdade, ao contrário do motor, este fluido da caixa de câmbio requer uma troca por tempo ou por quilometragem, algo que facilita as coisas.

Dentre os vários tipos de lubrificantes também temos especificações técnicas distintas. No artigo sobre lubrificação do motor explicamos o significado dos números, da letra W e também das características de cada um deles.

No caso dos fluidos para câmbio automático a lógica é um pouco diferente e as marcas estabelecem normas técnicas especificas para as transmissões. A proposta original do automóvel, caminhão, trator ou motocicleta (também temos algumas assim, apesar de serem raras) vai determinar a especificação correta e também as suas respectivas características técnicas.

Nesse ponto entra uma dúvida comum entre consumidores e entusiastas que gostam de manter a manutenção de seus veículos em dia ou até mesmo fazer o próprio serviço na garagem de casa. Qual a diferença do ATF (Automatic Transmission Fluid) para um lubrificante convencional?

O ATF é um lubrificante chamado de multi-propósito. Isso porque ele tem várias finalidades e usos bastante distintos. Ele serve especialmente para transmissões automáticas e direção hidráulica, algo muitas vezes esquecido pelas pessoas.

É importante salientar que a sua cor se altera com o uso, porém de maneira menos intensa. Eventualmente em caso de deterioração de discos de composite, oxidação por temperatura e aquecimento. Cor e odor são usados para verificar o estado do lubrificante. No caso do óleo do motor uma característica é que ele vai ficando escuro, o que mostra o seu desgaste e a necessidade de troca. Sem dúvida nenhuma mostra também que está fazendo seu serviço de maneira correta. Já no caso do câmbio não pode haver mudança de cor.

Outro ponto importante é aquele que diz respeito à especificação técnica de cada modelo de transmissão. Desde que surgiu no final da década de 60 esse produto foi se desenvolvendo e recebendo o aval das grandes montadoras. Assim seu desenvolvimento foi ocorrendo com pequenas diferenças e ajustes entre cada uma delas.

Dessa forma é essencial que o proprietário utilize o ATF indicado para o caso correspondente de acordo com a marca do seu veículo. Isso evita problemas técnicos como demora na troca de marchas, algum tipo de tranco e até mesmo danos maiores e mais caros.

Este produto desempenha algumas funções além da “simples” lubrificação das partes internas da transmissão automática. Vale ressaltar que evita oxidação, mantém uma pressão de trabalho eficiente e, além disso, tem um papel de resfriamento e limpeza.

Mas voltando ao título do artigo: e sobre a cor do ATF? A coloração não tem a menor importância na sua aplicação. No caso citado ele geralmente é vermelho ou verde, com pequenas mudanças para diferenciar entre os fabricantes.

Seja usando ATF ou lubrificante tradicional a questão mais importante é seguir os padrões e indicações de manutenção de cada veículo, de modo a preservar a vida útil dos componentes e garantir uso tranquilo no dia dia. Dessa forma evitamos surpresas e prejuízo financeiro.

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Confira Outros Artigos

Confira

Viscosidade: Entendendo os números

Você costuma verificar o nível do óleo regularmente? Faz a troca por tempo ou por…